Marta Martins gosta da rua. “É o meu lugar. Sair com a câmera, estar em movimento”, diz. Este movimento, que é também seu retorno à fotografia, começou em 2011 pelas ruas de Florianópolis. E não parou mais. Transformou-se em séries de street photography, em temas que, como diz Marta, muitas vezes surgem sem querer. Uma de suas séries, por exemplo, registra o momento das Mulheres de manhã: aquele vai e vem matinal, o comportamento feminino, a interação com os ambientes do centro urbano. Séries que são, também, a crônica imagética da cidade que esta multi-artista apalpa com imagens e também com palavras (escreve contos breves, instantes: com a luz e com as letras).

Graduada em Licenciatura Plena Em Educação Artística pela Universidade do Estado de Santa Catarina, em 1988, com mestrado em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e doutorado em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina, hoje professora titular da Udesc, tem uma trajetória abrangente na área de artes, sempre com ênfase em Artes Visuais. Lançou-se ao desenho, como produção primeira, aos estudos da teoria da modernidade, da arte contemporânea, da teoria da imagem e historia e crítica da arte, à literatura, à fotografia. Esta última, cujos trabalhos mais recentes ela traz para O Galerista, voltou com força em sua vida há quatro anos. “O desenho, de certa forma, migrou para a escrita e para a fotografia”, conta. Marta trabalhou fotografia no começo de seus estudos, depois abandonou por um tempo. O retorno deu-se em uma oficina com o conhecido fotógrafo brasileiro João Bittar: veio dele o empurrão para a rua. “Ele usava, naqueles dias, a prática de fotografar instantes de rua e publicar logo em seguida, quase como se estivéssemos vendo a cena na hora em que aconteceu. Me interessei muito e não parei mais”, explica Marta.

Recentemente, a artista tem retornado ao processo anterior ao digital. A partir da produção de fotos com uma câmera Yashica Matt 124, que comprou em um brechó, viu-se com o gosto da revelação mais demorada, do desapego ao visor imediato da câmera digital. E, neste caminho, para O Galerista Marta traz fotografias produzidas com uma câmera Lomo Fish Eye, com parte de uma experiência que vem desenvolvendo há dois anos: fotografar o cotidiano e a paisagem da Lagoa da Conceição, em Florianópolis, em formato analógico, muitas vezes com duplas e triplas exposições, que permite à fotógrafa trabalhar sobreposições que formam acasos surpreendentes nas imagens. 

Exposições:

2015 – Exposição coletiva na Feira FOTO ARTE, no O Sítio Arte Educação Coworking, Florianópolis/SC.

2014 – Eventos de Street Photography Sudário e Faço seu selfie grátis, Centro, Florianópolis/SC.

2013 – Eventos de Street Photography Varal e homem sanduíche, Centro, Florianópolis/SC.
2010 – Instalação Todas essas flores, Memorial Meyer Filho, Florianópolis/SC.
2010 – Instalação xales rotos, Museu de Artes de Santa Catarina, Florianópolis/SC.
2000 – Vídeo Constelar, Centro Municipal de Cultura, Criciúma/SC.
2000 – Instalação Constelar, Centro Municipal de Cultura, Criciúma/SC.
1998 – Esculturas envoltórios da espera, Centro Cultural, São Paulo/SP.

1998 – Participação na exposição coletiva do VI Salão Victor Meirelles, Museu de Artes de Santa Catarina, Florianópolis/SC.

1997 – Instalação palimpsestos, Funarte, Rio de Janeiro/RJ.

1997 – Exposição coletiva Arte Contemporânea da Gravura, Solar do Barão, Curitiba/PR.

1997 – Exposição individual Envoltórios da Espera, Centro Cultural São Paulo, São Paulo/SP.

1996 – Exposição coletiva/individual Projeto Macunaíma, Funarte, Rio de Janeiro/RJ.

1996 – Exposição individual Sistemas de Isolamento, Funarte, Rio de Janeiro/RJ.

1995 – Exposição coletiva Poéticas Visuais, Pinacoteca do Instituto de Artes, UFRGS, Porto Alegre/RS.

1995 – Exposição coletiva na XI Mostra da Gravura, Solar do Barão, Curitiba/PR.

1990 – Exposição de desenhos Escabeludos, Oficinas de Arte do CIC, Florianópolis/SC.

Sem título

MARTA1 R$195,00 - R$860,00
Série Cenas da Lagoa Marta Martins Ano 2012 Lomografia é um movimento fotográfico que utiliza câmeras muito simples, às vezes rudimentares. Sempre com filmes fotográfico. O processo consiste na recepção contínua de luz que é feito através do sistema de exposição com  pouco controle. Outro efeito, dependendo do modelo e da lente, é o olho de peixe, no qual a fotografia fica com uma moldura circular. Impressão em papel 100% algodão (Photo Rag/Hahnemühle 308g) A indicação dos…
QUICK SHOP

Sem título

MARTA2 R$195,00 - R$860,00
Série Cenas da Lagoa Marta Martins Ano 2012 Lomografia é um movimento fotográfico que utiliza câmeras muito simples, às vezes rudimentares. Sempre com filmes fotográfico. O processo consiste na recepção contínua de luz que é feito através do sistema de exposição com  pouco controle. Outro efeito, dependendo do modelo e da lente, é o olho de peixe, no qual a fotografia fica com uma moldura circular. Impressão em papel 100% algodão (Photo Rag/Hahnemühle 308g) A indicação dos…
QUICK SHOP

Sem título

MARTA3 R$195,00 - R$860,00
Série Cenas da Lagoa Marta Martins Ano 2012 Lomografia é um movimento fotográfico que utiliza câmeras muito simples, às vezes rudimentares. Sempre com filmes fotográfico. O processo consiste na recepção contínua de luz que é feito através do sistema de exposição com  pouco controle. Outro efeito, dependendo do modelo e da lente, é o olho de peixe, no qual a fotografia fica com uma moldura circular. Impressão em papel 100% algodão (Photo Rag/Hahnemühle 308g) A indicação dos…
QUICK SHOP

Sem título

MARTA5 R$195,00 - R$860,00
Série Cenas da Lagoa Marta Martins Ano 2012 Lomografia é um movimento fotográfico que utiliza câmeras muito simples, às vezes rudimentares. Sempre com filmes fotográfico. O processo consiste na recepção contínua de luz que é feito através do sistema de exposição com  pouco controle. Outro efeito, dependendo do modelo e da lente, é o olho de peixe, no qual a fotografia fica com uma moldura circular. Impressão em papel 100% algodão (Photo Rag/Hahnemühle 308g) A indicação dos…
QUICK SHOP